O Meio e o Si

Seu blog de variedades, do trivial ao existencial.

O vício da guerra e quem somos

Imagem

Outro dia assisti ao programa do Bill Maher, na HBO americana, quando entrevistou um experiente correspondente de guerra. Entre outras, Bill fez a seguinte interessante pergunta: Porque uma minoria de pessoas – soldados, jornalistas, voluntários – literalmente torna-se “viciada em guerra”, ou seja, faz de tudo para voltar às áreas de conflito e não consegue viver novamente uma vida convencional?

Meu impulso foi logo associar a figura de um viciado em guerra à de um facínora, sanguinário, uma espécie de Rambo ávido pela adrenalina de matar, ou algo parecido. A resposta, no entanto, foi muito mais surpreendente e profunda.

Primeiro, o jornalista explicou que, durante situações de vida ou morte como as encontradas em batalhas, os seres humanos experimentam sentimentos únicos e embriagantes. Quando você depende do próximo para sobreviver, como um companheiro de batalhão, passa também a estar disposto a arriscar sua vida pelos demais. Desenvolve imensa compaixão pelas pessoas com quem compartilha tal experiência. Trata-se de um instinto coletivo de sobrevivência (afinal, somos um “animal social”) que cria um vínculo intenso, incomparável aos que experimentamos nas situações de relativo conforto nas quais vivemos. É um sentimento de conexão tão forte que não pode sequer ser replicado entre amigos íntimos ou mesmo familiares.

Outro aspecto é a nova perspectiva e importância que são dadas à vida e seus detalhes. No ambiente de guerra, se você come mais do que precisa hoje, pode faltar amanhã; se você faz um ruído descuidado, pode alertar o inimigo; em um dia mais calmo, se não aproveitar para dormir, pode ser que não haja outra oportunidade naquela semana. Todo gesto tem seu significado e preço. Isso faz com que a pessoa dê atenção aos pormenores da vida e passe a valorizar cada momento e escolha. Embora essas situações sejam extremamente desconfortáveis, perigosas e normalmente algo a se evitar, os “viciados” entram num estado de euforia e intensidade – mistura de medo, amor, companheirismo, dependência, apreciação – que torna qualquer outra experiência monótona.

Como exemplo, o entrevistado citou sua ida ao supermercado, após voltar aos EUA de uma das guerras que cobrira. Olhando ao seu redor, viu as prateleiras com dezenas de opções para cada item; o chão limpo cheirando a detergente; as pessoas com aspecto entediado e indiferente na fila do caixa. Foi tomado de uma forte melancolia: como vivemos sem ardor, sem valorizar o que temos, sem desenvolver laços verdadeiros com os demais! Após viver experiências tão intensas, até mesmo as questões que normalmente consideramos importantes em nossas vidas – uma conquista profissional, um divórcio, uma questão financeira – em perspectiva tornam-se caprichos.

A intensidade da guerra cutuca de diferentes maneiras o homem-bicho adormecido dentro de nós. Uma vez acordado, ele dificilmente volta a ser domado. A consequência varia entre trauma, horror, depressão e, aprendi agora, dependência.

[Sugestão: quem tiver a oportunidade, veja o documentário Which Way Is The Front Line From Here, sobre a vida do foto-jornalista Tim Hetherington, que inspirou este post.]

Leia também Resposta a um amigo religiosoFoto: fonte desconhecida (Google imagens)

10 comentários em “O vício da guerra e quem somos

  1. Nichollas Schmidt
    31 de julho de 2020

    Viva a guerra! Viva Nietzsche!

    Curtir

  2. Pingback: O botão que apertaríamos | O Meio e o Si

  3. Pingback: O VÍCIO DA GUERRA E QUEM SOMOS | ZÉducando

    • O Meio e o Si
      11 de julho de 2013

      Caro José,
      Que bom que gostou e volte sempre ao blog “O Meio e o Si”. Convido-o também a ler o livro, do mesmo nome.
      Grande abraço,
      AA

      Curtir

  4. pedropilar
    28 de abril de 2013

    muito bom, e obrigado pela visita ao meu blog. adorei o seu tbm

    Curtir

  5. Lupércio Stopato da Fonseca
    27 de abril de 2013

    Sem dúvida o ser humano ainda está em seu estágio “animal”. Aguardemos que cresça.

    Curtir

  6. Curioso Realista
    27 de abril de 2013

    É triste que tenhamos que passar por situações tão extremas para aprender a valorizar nossas próprias vidas. Desenvolver empatia por outras pessoas já está se tornando uma virtude dado a rara frequência com que o comportamento é manifesto.

    Curtir

    • O Meio e o Si
      27 de abril de 2013

      Você tem toda a razão. E é interessante também como a empatia, quando experimentada com tanta intensidade, pode ser embriagante.

      Curtir

Deixe uma resposta para Lupércio Stopato da Fonseca Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 15 de abril de 2013 por em FILOSOFIA & INDIVÍDUO, SOCIEDADE & POLÍTICA e marcado , , , , , , , .

Digite seu endereço de email para acompanhar este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se aos outros seguidores de 211

Siga no Twitter

%d blogueiros gostam disto: