O Meio e o Si

Seu blog de variedades, do trivial ao existencial.

Graças a Darwin!

darwin

A teoria da evolução das espécies por seleção natural, desenvolvida por Charles Darwin no final do século XIX, é provavelmente a descoberta mais genial e importante da história moderna. Genial pela simplicidade e intuição. Importante porque nos possibilitou entender melhor o mundo no qual vivemos, oferecendo também argumentos contra antigas afirmações infundadas sobre a natureza e nosso meio. Mas além de nos ensinar sobre a origem e mutação das espécies, o Darwinismo oferece ensinamentos fundamentais sobre o comportamento humano. Alguns exemplos são particularmente interessantes e até curiosos.

Por exemplo, por que a grande maioria das pessoas gosta tanto de comidas gordurosas, como chocolate, carne vermelha ou pizza? Há milhares de anos, quando nossos ancestrais ainda viviam apenas da caça e coleta de frutos silvestres, era comum que ingerissem calorias de forma errática. A vida era dura e as pessoas passavam dias a fio comendo frutas e outros “petiscos selvagens” de baixa caloria, até que um grande animal finalmente fosse caçado. Portanto, gradualmente, o corpo humano evoluiu de forma a que os que tinham mais aptidão e gosto para acumular gordura tornaram-se mais bem capacitados a sobreviver e passar seus genes adiante. Trata-se de um instinto de sobrevivência que reside em nós desde quando éramos nômades.

O Darwinismo também oferece explicações no campo do sexo e dos relacionamentos. Relações sexuais são prazerosas porque ao longo do tempo aqueles que mais gostavam e buscavam se reproduzir foram sobrevivendo e procriando. Ademais, o que chamamos de “química” entre duas pessoas, sentida através do olfato, paladar, tato e até olhar, são instintos desenvolvidos gradualmente ao longo de milênios para encontrarmos pares que nos complementem geneticamente e proporcionem a melhor prole. Até questões mais inusitadas podem (ao menos tentativamente) ser respondidas sob a ótica darwinista, por exemplo: por que homens tendem a achar mulheres de salto alto atraentes? O cientista Carl Sagan ofereceu uma resposta curiosa: no subconsciente masculino, mulheres de salto têm mais dificuldade de fugir de seu assédio, tornando-se “vítimas” mais fáceis. Animal!

Até a propagação da religião pode em parte ser explicada através da seleção natural. Segundo o evolucionista Richard Dawkins, para explicar o fenômeno religioso devemos ir além das explicações usuais (apesar de válidas) como a necessidade de as pessoas “encontrarem repostas” ou “apoiarem-se emocionalmente”. Parte da resposta está no comportamento evolutivo das crianças. A explicação seria que, ao longo dos anos, as crianças que mais obedeciam aos pais foram as que melhor se adaptaram ao meio e sobreviveram aos riscos que a vida proporciona. Por exemplo, imagine dois meninos há dez mil anos atrás brincando em frente a um ninho de cobras. Ambos escutaram a mesma informação dos pais: “não toque no ninho!”. No entanto, um é curioso demais e se arrisca; o outro, apesar da curiosidade, obedece aos pais sem contestar. É óbvio o que acontece com o primeiro e quem sobrou para contar a estória. Da mesma forma, a religião, assim como outras normas impostas pelos mais velhos, se prolifera de geração em geração justamente no momento de nossas vidas quando somos mais vulneráveis e menos contestadores. Mais tarde, na vida adulta, ela já é parte tão forte do indivíduo que mesmo os mais racionais têm dificuldade em romper com a ordem.

Graças a Darwin, temos hoje a capacidade de entender melhor nosso meio e a si próprios. Se todo indivíduo somasse a esses ensinamentos a ética e a compaixão, teríamos um mundo melhor, menos apoiado em superstições e menos sujeito a extremismos.

Foto: unizar.es

6 comentários em “Graças a Darwin!

  1. Pingback: Religião, ética e moral | O Meio e o Si

  2. daniel
    28 de maio de 2014

    E erguemo nos, em busca da verdade resolutos, determinados, guerreiros, a fugir eternamente das falsas luzes!!
    Obrigado pelo texto

    Curtir

  3. Pingback: Repensando nosso sistema universitário | O Meio e o Si

  4. Flávio
    15 de julho de 2013

    Mudam-se os narradores, mas as histórias se repetem…
    Belo texto!
    abs

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 14 de julho de 2013 por em FILOSOFIA & INDIVÍDUO, SOCIEDADE & POLÍTICA, Uncategorized e marcado , , , , , , .

Digite seu endereço de email para acompanhar este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 206 outros seguidores

Curta página no facebook

Siga no Twitter

%d blogueiros gostam disto: