O Meio e o Si

Seu blog de variedades, do trivial ao existencial.

Amargo fim de uma era

anderson_silva_by_sergiodouglas94-d52ycg7

A luta de Anderson Silva contra Chris Weidman foi um dos acontecimentos mais bizarros e decepcionantes na história recente do esporte brasileiro, principalmente pela crescente popularidade de Anderson e do MMA no país. Muito se especula sobre o assunto. A luta teria sido armada, afinal era feriado do dia da independência dos Estados Unidos, palco perfeito para o surgimento de um novo campeão americano? Haveria questões de apostas por trás do resultado? Anderson resolveu perder para evitar uma super-luta com Jon Jones? Seria armação do UFC para preparar a grande volta do campeão em uma revanche?

Todas as especulações são improváveis. Anderson cometeu sim um grande erro estratégico, que vai além da presunção, inclusive porque é difícil saber o quanto de sua “arrogância” é real ou apenas parte de personagem que encarna no octógono. Ao longo de sua incrível carreira, Spider escolheu algumas vítimas para adotar a estratégia de intimidação e até humilhação, como Demian Maia, Forrest Griffin e Stephan Bonnar. Contra outros lutou com extrema seriedade, como Dan Henderson, Rich Franklin e Chael Sonnen. O critério de escolha para sua postura não é totalmente claro, se é parte da estratégia traçada previamente para cada luta ou decisão baseada na reação do oponente ao longo do combate. Provavelmente o último, pois Anderson tem enorme capacidade de ler seu adversário, encontrar mínima brecha de insegurança, e capitalizar em cima do momento de fraqueza.

No caso contra Weidman, não acho necessariamente que tenha errado ao provocá-lo, afinal a tática até então sempre havia dado certo. Embora minha primeira reação após a luta tenha sido de indignação pela soberba e irresponsabilidade demonstradas, analisando mais friamente, na dose certa, mexer com a cabeça do Weidman para em seguida partir para o ataque era um bom plano. Inclusive, a impressão no fim do primeiro round era a de que novamente funcionaria. O problema é que, entrando no segundo round, exagerou na dose – e muito. Nunca fora tão debochado nem havia deixado a guarda tão baixa por tanto tempo e, pior, diante de um adversário tão perigoso. Deu no que deu. Não fosse esse exagero, tenho confiança de que teria ganhado a luta.

A hegemonia de Anderson era orgulho para os fãs brasileiros, que o têm como uma espécie de “Pelé das artes marciais”. Seu legado sem dúvida permanece intacto, mas pela forma como sua invencibilidade foi quebrada, fica a sensação de que algo irrecuperável se perdeu nesse fim de semana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 8 de julho de 2013 por em ARTE & ENTRETENIMENTO, Uncategorized e marcado , , , , , , .

Digite seu endereço de email para acompanhar este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 206 outros seguidores

Curta página no facebook

Siga no Twitter

%d blogueiros gostam disto: