O Meio e o Si

Seu blog de variedades, do trivial ao existencial.

Árvore dá vida (conto)

tree-branch-frank-tschakert

Mãe e filha chegaram ao parque no fim da tarde, em um dia como outro qualquer. Era outono, temperatura agradável, céu nublado. Crianças de diversas idades brincavam: equilibravam-se em gangorras, subiam em trepa-trepas, desciam gritando nos escorregas. Outras jogavam bola, apostavam corrida, brincavam de pega-pega. Havia poucas crianças de sua idade, a maioria parecia ter mais que seus quatro anos. Era tímida e vaidosa e, como estava com um vestidinho novo, limitou-se a sentar no balanço, que ficava na parte de chão cimentado, longe da poeira do resto do parque. Sua mãe sentou-se em um banco de pedra a poucos metros do balanço, observando a movimentação e respirando o ar fresco daquele lindo parque arborizado.

Era uma árvore centenária. Habitava aquele espaço muito antes de existir parquinho, quando a região ainda era floresta pouco explorada. Maior que um edifício de sete andares, tinha o tronco grosso e retorcido, as raízes tão longas que entravam na terra para sair um metro adiante e depois sumir novamente. Os galhos eram compridos e pesados, com ramificações próprias das quais as poucas folhas que sobravam exibiam seus vermelhos e amarelos.

Queria a atenção de sua mãe, que olhava distraída para um ponto fixo, mas não ousava chamar por ela, por acanhamento e porque não conseguiria competir com os gritos das outras crianças. Esperou que o olhar da mãe encontrasse o seu e, com um sorriso cúmplice e um mexer da cabeça, se fez entender. A mãe sorriu e levantou-se para empurrar o balanço da filha, que se deliciava com o friozinho na barriga de cada pendulada.

A noite anterior havia sido de vento forte, as folhas que teimaram em resistir agora só cairiam com a próxima chuva. Um ninho com três ovos tombara com a ventania, um ovo se espatifando e os outros dois permanecendo intactos dentro do ninho. Um dos galhos mais altos e compridos se via ligeiramente descascado e esbranquiçado em seu elo com o tronco. Estava mais inclinado que os demais, destoando da simetria do resto da árvore. Galho finado em tronco de vida.

A filha estava com fome, não comia desde o almoço na creche. Sua mãe tirou da bolsa a maçã que trouxera envolta em papel alumínio e sentaram-se no banco de pedra.  Olhou para a mãe com ternura e começou sozinha a desembrulhar a maçã – já era menina grande! Sua mãe fitou-a com orgulho e pôs-se a observar aquele pingo de gente, criado à sua semelhança, alimentando-se do fruto gerado por outra vida.

O golpe de misericórdia foi oculto, aparentemente aleatório. Da mesma forma como as folhas desprendem-se dos galhos, o galho desprendeu-se do tronco. O barulho àquela altura chegou embaixo tão leve quanto um suspiro, sem nenhuma pretensão de alarde. Mãe e filha seguiam alheias: mãe desfrutando filha, filha desfrutando fruto. O enorme galho caía com todo o seu peso, em seu tempo, indiferente ao parquinho, aos pássaros, às formigas, às crianças.

Um estrondo, acompanhado de um sopro na nuca, fez a mãe saltar do banco com um arrepio na espinha. Olhou para trás, depois para o chão, e viu uma maçã mordida rolando na direção dos seus pés. Atrás dela, a dois palmos do banco, um enorme galho de árvore, que mais parecia um tronco. Ainda sentada, sua filha a olhava assustada.

Perguntou para a mãe o que havia sido aquele barulho que a fizera largar a maçã de susto. Não percebeu o enorme corpo de madeira que jazia atrás do banco. Sua mãe, com lágrima nos olhos, disse que não havia sido nada. E que naquela noite poderia dormir na cama com mamãe e papai.

Ilustração: Frank Tschakert

9 comentários em “Árvore dá vida (conto)

  1. Pingback: Natal para todos (conto) | O Meio e o Si

  2. Richard França
    27 de setembro de 2013

    Foi como ver o ataque de uma onça para alimentar um filhote…ou seja, forte e delicado. De fato, muito agradável. Parabéns!

    Curtir

    • O Meio e o Si
      28 de setembro de 2013

      Obrigado, Richard. Muito interessante sua analogia também. Volte sempre!
      Abs,
      AA

      Curtir

  3. sonia chequer
    25 de setembro de 2013

    Parabens pelo texto. Compartilhei.

    Curtir

  4. O Meio e o Si
    22 de setembro de 2013

    Que ternura, meu filho!!!! Chorei ao ler o texto e ver a foto linda do meu neto, abraçando a árvore…

    Curtir

  5. Maria Do Rosário Peixoto
    19 de setembro de 2013

    Gostei do seu texto, pq eh singela e agradavel a leitura, para mim tanto filosofica quanto psicanalitica.

    Curtir

    • O Meio e o Si
      20 de setembro de 2013

      Obrigado, Maria. Você realmente parece ter assimilado todas as referências. Volte sempre!
      Abs

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 19 de setembro de 2013 por em FILOSOFIA & INDIVÍDUO e marcado , , , , , , , , , .

Digite seu endereço de email para acompanhar este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 206 outros seguidores

Curta página no facebook

Siga no Twitter

%d blogueiros gostam disto: