O Meio e o Si

Seu blog de variedades, do trivial ao existencial.

Natal para todos (conto)

pai e filho

Nunca havia sido tão difícil conseguir comida. Apesar do espírito natalino, o tempo chuvoso dos últimos dias fazia com que os transeuntes passassem apressados e cabisbaixos, dando menos atenção ainda aos seus apelos de pedinte. Se fosse só por ele, aguentava. Mas seu filho de quatro anos acabara de olhar nos seus olhos e gritar chorando: “Papai, tô com fome!”. Isso, não. Quando resolveu sair da pequena Algar para tentar a vida na capital, se prometera que a esse ponto nunca chegaria.

“Um dinheiro, moça, pelo amor de Deus… Meu filho tá com fome”. A resposta era sempre uma sacudida de cabeça, às vezes acompanhada de olhar de medo, às vezes desprezo, às vezes pena. Os estabelecimentos que normalmente o ajudavam já haviam fechado: a lanchonete, a padaria, o restaurante português. Dormir costumava ajudar a amenizar a fome; mas fome em demasia não deixa dormir. Seu filho reclamou novamente.  Dessa vez, no entanto, o apelo ressoou com uma dor física em seu peito, uma pressão aguda que o fez, pela primeira vez, desabar em prantos diante do menino. Havia se prometido nunca chorar na sua frente. Assim como não passar mais do que a primeira noite na rua – já estavam há quase um mês naquela situação. Era homem bom e de fé, mas os códigos de conduta traçados de início caíam um atrás do outro.

Havia pouquíssimas pessoas na rua àquela altura da noite. Estava sentado no chão com o filho no colo, tentando acalmá-lo com uma canção de ninar, quando viu do outro lado da rua uma mulher caminhando apressada. Pediu que o filho o esperasse sentado onde estava e andou na sua direção. A mulher o viu atravessando a rua e apertou o passo, visivelmente tensa, apertando a bolsa junto ao corpo com o braço direito. Aproximou-se dela, molhado pela chuva fina:

– Doutora, meu filho tá com fome, a senhora me dá um trocado?

– Não tenho, não… Se chegar mais perto eu grito!

– Mas doutora, eu…

A mulher abriu a boca para gritar mas foi interrompida por um soco seco que lhe quebrou o nariz e a fez cair, desmaiada, no chão. Olhou para trás e viu o filho ainda sentado ao meio-fio, tampando o rosto com as duas mãos. Virou-se novamente para a mulher caída e por alguns segundos ficou a olhar, pasmo, seu nariz e boca ensanguentados e olhos semiabertos. Finalmente abriu a bolsa, esvaziou a carteira de boa quantidade de dinheiro, colocou-a de volta. Voltou ofegante na direção do filho.

– Papai, por que a moça tá no chão?

– A moça caiu, filho. Vamos comer um queijo-quente e um panetone na lanchonete da rodoviária.

Comeram sem trocar uma palavra, apenas sorrisos de olhares. Às 23 horas sairia o ônibus para Algar.

Veja também o conto Árvore dá vidaImagem: fonte desconhecida; editada pelo autor.

Um comentário em “Natal para todos (conto)

  1. Pingback: Primeiro round (conto) | O Meio e o Si

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 22 de dezembro de 2013 por em FILOSOFIA & INDIVÍDUO, SOCIEDADE & POLÍTICA e marcado , , , , .

Digite seu endereço de email para acompanhar este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 206 outros seguidores

Curta página no facebook

Siga no Twitter

%d blogueiros gostam disto: